×

Observação

There is no category chosen or category doesn't contain any items

APTA apresenta na Agrishow 2017 tecnologia para cultivo de mudas altas de maracujá que evita contaminação por vírus

 

Giulia Losnak – Assessoria de Imprensa – APTA

A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, fará a exposição de mudas altas de maracujá, que medem 1,6 m, aproximadamente, na Agrishow 2017. Com a tecnologia proposta pela Agência é possível evitar a contaminação das plantas pelo Cowpea aphid-borne mosaic vírus (CABMV) e produzir a fruta nos meses de dezembro a março, quando o mercado apresenta seus melhores preços.

A tecnologia consiste na produção das mudas de maracujá de maneira protegida, em estufas, o que permite o porte alto por ocasião do plantio. No sistema tradicional, as mudas vão a campo com cerca de 30 centímetros, entre os meses de março e abril. “Esse período coincide com o de produção da safra anterior, resultando na infecção precoce com o CABMV e em queda de produção e qualidade do fruto”, explica Nobuyoshi Narita, pesquisador da APTA.

Segundo ele, no modelo de produção que será apresentado na Agrishow, as mudas podem ser levadas a campo com, aproximadamente, 1,6 m de altura, em agosto, após a eliminação da cultura anterior. “Assim, evita-se a contaminação precoce da nova área. Antes de ocorrem as epidemias com o CABMV, o maracujá era considerada uma cultura perene, sendo cultivado por mais de três anos. Atualmente, é necessário fazer o plantio anual”, diz.

Os trabalhos da APTA com maracujá ficarão expostos na Vitrine Tecnológica para Pequenas Propriedades, no estande da Secretaria de Agricultura. “Uma das diretrizes do governador Geraldo Alckmin é darmos atenção justamente aos pequenos produtores paulistas”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. 

 

Notícias por Ano